Cinco elementos que todo quarto deve ter – um criado para chamar de seu

Continuando a nossa série de elementos que todo quarto deve ter (cama // poltrona), hoje é a vez do criado-mudo.

5 elementos

Engraçado eu estar aqui escrevendo sobre criado-mudo quando, na verdade, eu o chamo de mesinha de cabeceira – e no sul, vejam só, o nome é bidê! Tão variado quanto os nomes pelos quais é chamado, o criado-mudo pode dar um toque de elegância, irreverência, charme e estilo para o seu quarto. A minha maior tristeza é não ter um, sniff!

A grande tendência no momento é usar mesinhas de cabeceira diferentes, tendência essa que eu acho o máximo, principalmente para casais: cada pessoa pode ter um móvel que combine com seu estilo, deixando o quarto a cara de quem o ocupa. Para quem curte manter a simetria mas quer apostar nas mesas diferentes, tente escolher mesas de estilos próximos e da mesma altura. Já pra quem quer ousar, não há regras: ambientes interessantes podem surgir da assimetria intencional.

Confira abaixo a seleção de hoje!

Dunelm - Skandi
Dunelm – Skandi (£199.99)
John Lewis - Spot
John Lewis – Spot (£175)
Loaf - Olivia
Loaf – Olivia (£225)
Made - Hooper
Made – Hooper (£99)
Philippe Starck Kartell - Ghost Buster
Philippe Starck para Kartell – Ghost Buster (£229 na John Lewis)
Etna - Sumatra
Etna – Sumatra (R$129,90)
Forman - Criado mudo
Phorman – Criado mudo (R$364,21)
Kartell - Componibili
Anna Castelli Ferrieri para Kartell – Componibili (R$646,00)
Masotti - Masotti
Masotti – Masotti (preço sob consulta)
Tok Stok - Cinquentinha
Tok Stok – Cinquentinha (R$385,00)

 Nessa categoria eu acabei deixando o meu amor pelo modernismo falar mais alto. E o modernismo está super em alta, podemos ver claramente a influência do estilo moderno de meados do século XX nos móveis contemporâneos da Tok Stok e da John Lewis, por exemplo. Nessa pesquisa, também acabei encontrando e me encantando com a Phorman, uma fabricante de móveis super legais com uma pegada bem modernista – vale a visita ao website deles para dar uma olhada na coleção.

E amanhã tem mais – voltamos com as luminárias! Enquanto isso, venha nos acompanhar no Facebook ou no Instagram.

Cinco elementos que todo quarto deve ter – um lugar para relaxar

5 elementos

Eu comecei ontem uma série de posts sobre elementos que fazem diferença em um quarto. Hoje, no segundo episódio da série, vou falar de poltronas. Mas, Carolina, lugar de poltrona é na sala, né não? É também. E não pense que apenas quartos que dividem espaço com home office podem fazer uso de poltronas, cadeiras e sofás. Esse tipo de móvel no ambiente cria um espaço para relaxar e ainda dá um toque especial na decoração, seja adicionando cor, um toque clássico ou, ao contrário, sendo uma peça de contraste, destaque na decoração. Ao contrário de ontem, que eu trouxe 5 sugestões de cada país, hoje eu tenho uma sugestão compartilhada – eu ainda vou ter uma poltrona dessas!

Debenhams - Chateau bench
Debenhams – Chateau bench (£364)
Dunelm - Juliette armchair
Dunelm – Juliette armchair (£299.99)
Dwell - Incline Lounger
Dwell – Incline Lounger (£399)
Made - Bouji
Made – Bouji (£149)
NOTHS - Paulistano
Paulo Mendes da Rocha – Paulistano (No Reino Unido, na Bodie and Fou – £1350; no Brasil, na Futon Company – preço sob consulta)
Etna - Poltrona Seul
Etna – Poltrona Seul (R$599,99)
Kleiner Schein - Cadeira Medalhão
Kleiner Schein – Cadeira Medalhão (preço sob consulta)
Lojas americanas - Poltrona Barcelona
Mies Van Der Rohe – Poltrona Barcelona (R$1639,92)
Mobly - Thais
Mobly – Poltrona Thais (R$409,00)

Como eu disse lá em cima, a Paulistano é meu sonho de consumo – amo modernismo e essa cadeira é linda! O link para a loja brasileira está aqui. Já a poltrona Thais, o link da foto é para a laranja, se você preferir a verde, clique aqui.

Queria ressaltar também que a Poltrona Barcelona citada na lista é uma reprodução, produzida pela Rivatti. As cadeiras originais são produzidas pela Knoll.

E vocês, vocês tem uma cadeira/poltrona favorita? Ou um estilo? Me contem qual é!

Cinco elementos que todo quarto deve ter – uma cama dos sonhos!

Vejam bem, se tem uma pessoa que odeia regras, essa pessoa sou eu. Acho muito chato esse negócio de ditar regras e esperar que todo mundo as siga. Então, antes de começar, só queria dizer que essas não são regras, são diretrizes. São uma ajudinha para que não tem ideia de como montar um ambiente, uma fonte de inspiração pra quem sabe e – por que não? – um convite a quebrar todas essas regras e fazer um quarto como você acha que deve ser. Então me acompanhe essa semana, veja minhas sugestões e divida as suas aqui nos comentários!

Desde julho venho pensando na minha casa dos sonhos. Meu Pinterest em polvorosa, resolvi observar e tentar entender o que faz de um quarto um ambiente mágico. Após várias e várias listas, algumas bem mais longas que as outras, cheguei nesses cinco elementos básicos, que todo quarto deveria ter para ser o ambiente mais aconchegante da casa.

5 elementos

Vou começar hoje pela cama e até sexta-feira vou passar por todos os itens da lista. A cada dia, vou sugerir cinco itens de lojas aqui do Reino Unido e cinco itens de lojas brasileiras. Tentei ser o mais eclética possível para atender a todos os tipos de gostos – apesar do meu gosto estar bem marcante nas sugestões.

A cama: um lugar para sonhar

A cama é lugar mais importante do quarto: (com sorte) você passa 1/3 do seu dia nela. Ela pode ser a peça central da decoração do seu quarto, ou pode fazer o estilo discreto, deixando os outros elementos falarem mais alto. Isso sem falar que a roupa de cama é parte essencial do tom que se quer dar ao ambiente – e aproveito para deixar uma dica para quem vem para o Reino Unido e quer levar alguns itens para casa: os nomes dos tamanhos não são todos os mesmo usados no Brasil. O tamanho King aqui é equivalente ao Queen do Brasil (que segue o padrão norte-americano) e o Super King daqui é o King do Brasil. O ideal seria trazer as medidas e não se ligar a nomenclaturas somente.

Abaixo as minhas dicas – para todos os gostos e bolsos!

Heal's - Nordic
Heal’s – Nordic (£1595)
Ikea - Leirvik
Ikea – Leirvik (£90)
John Lewis - Camille (£1150)
John Lewis – Camille (£1150)
Made - Jonah (£649)
Made – Jonah (£649)
Natural Bed Company - Kumo (A partir de £339)
Natural Bed Company – Kumo (A partir de £339)
Kleiner Schein - Vintage
Kleiner Schein – Vintage (preço sob consulta)
Masotti - Virginia (preço sob consulta)
Masotti – Virginia (preço sob consulta)
Meu Movel de Madeira - Bali (R$1566,55)
Meu Móvel de Madeira – Bali (R$1566,55)
Tok Stok - Venet (R$2430)
Tok Stok – Venet (R$2430)
Tsuruya - Cama
Tsuruya – Cama (preço sob consulta)

Olha, acho que essa cama Bali, do Meu Móvel de Madeira, é a minha cama preferida de todos os tempos. Entre as gringas, a minha preferida é a Kumo, da Natural Bed Company. E a de vocês? Alguma sugestão fora da lista? Manda pra gente aí nos comentários!

*Preços e link corretos do dia da publicação do post (22.09.14)

{Dica de loja} Galeria Decoreba

Estamos de volta depois de um breve hiato para organizar a festa de aniversário da minha filha – olha, muita admiração para quem consegue fazer milhões de coisas ao mesmo tempo, eu consigo no máximo umas 3! 😀 Então o blog acabou ficando um pouquinho de lado, mas hoje eu tirei o dia para tirar a poeira do blog e dar uma dica de loja super bacana, a Galeria Decoreba.

A Galeria Decoreba foi fundada pelas arquitetas Carol e Paula, que se uniram ao Bruno e ao John para lançar essa loja que tem uma proposta super bacana de ser uma galeria virtual de design autoral. E o que significa isso? Que além de apoiar designers brasileiros a comercializarem seus produtos, a Galeria Decoreba conta com peças originais, um conceito bem diferente dos e-commerce de decoração que estamos acostumados a ver.

Selecionei aqui para vocês alguns dos meus produtos favoritos da loja:

luminaria-piccolo

A Luminária Piccolo é feita de madeira maciça e acrílico e é um produto do designer carioca Patrick Nascimento. Adorei a simplicidade do desenho, a cor e o ar retrô dessa luminária. Não gosta de verde ou não combina com a decoração do seu ambiente? Não tem problema, a Galeria Decoreba tem uma variedade de cores disponíveis (sob consulta).

banco-sempre3

O Banco Sempre3 é o tipo de móvel que faz meu coração bater mais forte: bonito e multifuncional. É banco, é mesa, é estante, é o que a sua imaginação permitir. Projeto do catarinense Fabiano Simão, é feito de madeira e acrílico, é produzido artesanalmente e tem 3 opções de madeira: de demolição, imbuia ou freijó.

galeria-decoreba-almofada-poa-amarelo

A Almofada Poá ganhou minha atenção pela beleza e pelo modo de produção: as bolas de camurça são costuradas manualmente ao tecido da almofada, dando esse visual incrível. Como são produzidas artesanalmente, podem ser personalizadas, é só entrar em contato com o pessoal da Galeria Decoreba que eles passam todas as opções disponíveis.

Tem muitas outras coisas incríveis na loja, acho que vale muito a visita. E aproveitem que quem se inscrever na newsletter até o dia 25 de julho ganha R$30 para usar na próxima compra e concorre a uma Lomo Fisheye e um conjunto de filmes.

*Este não é um post patrocinado!

DIY: uma cadeira de escritório nada convencional

Há uns dois meses, essa cadeira surgiu na minha vida de forma inesperada. Apareceu para doação num grupo do Facebook, a única condição era ir buscá-la. Eu estava precisando de uma cadeira de escritório há anos, nunca achava nada que me agradasse completamente – ou era feia, ou era desconfortável, ou era muito cara. Essa era a minha chance para conseguir a minha cadeira. Eu nunca tinha reformado uma cadeira antes, só tinha uma vaga noção de como seria.

cadeira_DIY_antes

Várias pessoas me perguntaram como foi o processo de reforma da cadeira, então aqui vai uma espécie de passo a passo – e no final, algumas dicas para quem quer encarar uma reforma desse tipo mas nunca teve coragem:

Primeiro eu desmontei a cadeira. Foi um processo longo e demorado, com aproximadamente 300 grampos retirados e um parafuso espanado de brinde.

parafusos-e-grampos

Em seguida, pintei as partes pretas de branco. Pensei em usar uma tinta spray, mas como estava usando a minha cozinha como oficina, achei melhor não – vai que eu não consigo limpar a sujeira depois! Usei uma tinta que serve para paredes, metal e madeira, escolhida por causa do acabamento fosco. Aqui, cometi um erro: não usei um preparador para pintar as partes revestidas em plástico (como essa da foto acima, do parafuso espanado). Eu sabia que eles existiam mas como não tinha muita certeza se iria precisar, utilizei o método força bruta para essas partes: lixei com uma lixa grossa até o plástico ficar bem poroso e pintei. Ficou super grosseiro, mas fui acertando com uma lixa fininha e mais demãos de tinta até conseguir um resultado satisfatório.

pintura

A espuma estava em boas condições, então eu só desinfetei. Descosturei a capa e usei como molde para fazer a capa nova. Minha filha que escolheu o tecido!

tecido

quase-pronta

Depois de remontada, eu passei um protetor de tecido para ficar fácil de limpar. O nome é ScotchGard da 3M – no Brasil, está disponível em lojas como a Leroy Merlin, aqui no Reino Unido, eu comprei na Homebase.

E este é o resultado final de uma semana de trabalho e aprendizado. Fiquei super feliz com a minha cadeira (e as gatas também, hahaha).

cadeira_DIY_depois

Dicas pra quem quer fazer uma também!

Algumas coisa que eu aprendi nesse processo:

  • Escolha a cadeira com cuidado. Não foi meu caso, mas eu dei sorte, porque a cadeira era toda desmontável, parafusada e grampeada. Se você for comprar ou usar alguma cadeira que você tenha em casa e use bastante, antes de começar a desmontar, verifique se é possível a desmontagem completa sem estrago. Algumas cadeiras de escritório são seladas de alguma maneira que depois não dá pra refazer manualmente, então só desmonte a sua se tiver certeza que dá pra remontar ou se você não se importar de perder algumas características da cadeira (ou, na pior da hipóteses, a cadeira). Eu não me importei com esse detalhe porque ganhei a cadeira de graça e se não conseguisse desmontar, era só passar pra frente da forma que recebi.
  • Tire muitas fotos do processo. Muitas mesmo. Quanto mais complicada a cadeira, mais fotos! Ajuda muito na hora de remontar.
  • Se a cadeira for ser usada, escolha materiais de qualidade. Vale a pena escolher um tecido para estofados, tecidos não apropriados muito provavelmente se rasgariam muito rápido com o uso diário (que é o caso da minha cadeira).
  • A máquina de costura (e saber usar!) é opcional, você pode simplesmente grampear o tecido para forrar a espuma – até pensei em fazer dessa forma, mas acho que não ficaria tão ajustado e eu ficaria encanada com as dobras. Também não precisa ser profissional da costura se a opção for pela máquina, eu sei o básico do básico e nem máquina eu tinha, comprei especialmente para esse projeto (mas já usei muito depois!).

Curtiram? Quem tiver alguma pergunta, é só deixar um comentário aqui ou passar lá na página do Facebook, que está só começando. 🙂