Prêmio RIBA House of the Year ~ Vaulted House

Vaulted House vPPR banner

Bom dia, gente! Começando mais uma semana melhor do que a semana passada terminou – finalmente o painel de admin do blog voltou a funcionar! 🎉 Vou publicar ainda hoje (retroativamente) o post de sábado, com os modelos de cv grátis que eu achei na web, mas vou ficar devendo a rodada de links da semana – semana que vem tem mais 😉

O post de hoje é sobre a quarta finalista (1. 2. 3.) do prêmio House of the Year do RIBA, a Vaulted House, projetada pelo escritório vPPR Architects. Do site dos arquitetos:

Uma série de abóbadas transferem luz natural para o site industrial, isolado da rua pelos jardins residenciais vizinhos. Escondido atrás de uma porta de garagem comum voltada para a rua, uma varanda secreta forma a entrada para essa casa peculiar.

Poucas janelas exteriores são permitidas na parede externa, então a entrada de luz natural pelo telhado orienta o projeto. As áreas de convivência estão localizadas em toda a extensão piso superior em plano aberto. Ao invés de divididas por níveis ou paredes rígidas, as diversas zonas deste piso são demarcadas pela luz transmitida pela iluminação zenital.

A posição das clarabóias foi calibrada cuidadosamente para iluminar as diversas atividades durante o dia, de acordo com os ângulos do sol. A luz da manhã invade a cozinha, varanda e área do café da manhã, enquanto o sol do fim de tarde ilumina a biblioteca e a área de jantar. A luz constante do norte ilumina o escritório e o hall de entrada. Grandes portas de correr de vidro, localizadas ao lado da área de jantar, se abrem totalmente para criar um espaço contínuo interior-exterior no verão.

A luz é transmitida aos quartos amplos no andar inferior através de uma série de jardins internos. Um espaço com pé direito duplo, com sua abóbada espetacular, contém a escada e tem vista para o quarto de brincar.

Vaulted House vPPR 01 Vaulted House vPPR 08 Vaulted House vPPR 07 Vaulted House vPPR 06 Vaulted House vPPR 05 Vaulted House vPPR 04 Vaulted House vPPR 03 Vaulted House vPPR 02VaultedHsSitePlanVaulted House vPPR planta pavimento térreo superior Vaulted House vPPR planta pavimento térreo inferior08 Perspective_vector tree

Imagens: Fotos. Plantas.

Representatividade importa

arquitetas invisíveis

Bom dia, gente! Eu ia escrever esse post no sábado, mas achei que não podia esperar – então o post de hoje sai no sábado e essa semana, excepcionalmente, não vai ter Diário (não tem nada pra contar, mesmo). E por que não pode esperar? Porque tempo é dinheiro, e nesse caso, dinheiro importante 🙂

Foi lançado essa semana o financiamento coletivo para a primeira edição da revista Arquitetas Invisíveis.

Nas palavras das arquitetas e estudantes de arquitetura fundadoras do grupo:

O Coletivo Arquitetas Invisíveis é uma ação que busca promover a igualdade de gênero dentro do âmbito da arquitetura e do urbanismo, por meio do reconhecimento e divulgação da vida e obra de arquitetas desprestigiadas pela história. Criado por estudantes da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília, a primeira iniciativa do grupo foi no sentido de ampliar o repertório dos estudantes e profissionais de arquitetura e urbanismo e, ao mesmo tempo, incitar a discussão sobre gênero no meio acadêmico e profissional.

Tenho acompanhado a página do Facebook há muito tempo e o trabalho dessas mulheres é incrível. Estava ansiosa para o lançamento da revista e adorei saber que posso colaborar para que o projeto se torne realidade. Então, gostaria de convidar todo mundo para colaborar para a viabilização desse projeto. Você que é arquiteta. Você que quer ser arquiteta. Você que se pergunta “cadê as arquitetas desse mundo?”. O prazo para a arrecadação é até 16 de janeiro e eu vou lembrando vocês de ajudar (porque eu sou chata assim). Clique aqui AGORA e faça sua contribuição. Você pode ajudar com qualquer valor a partir de R$10 – mas eu quero aquele lenço 😍.

E eu prometi em outubro que iria dedicar uma semana às arquitetas desse mundo, não saiu em outubro mas pode marcar aí na agenda: de 14 a 18 de dezembro – semana das arquitetas no arquicarolina!

Imagem: minas, roubei do FB de vocês, desculpa! Se não puder, é só falar.

Prêmio RIBA House of the Year ~ Kew House

Kew House Piercy and Company banner

Bom dia, gente! Hoje continuamos com a série das casas indicadas para o prêmio RIBA House of the Year (post 1. post 2.)

A casa de hoje é a Kew House, que fica em Londres e foi projetada pelo escritório Piercy & Company. Do site do escritório:

Localizada na área de conservação de Kew, esta residência unifamiliar de quatro quartos é formada por dois volumes pré-fabricados de aço patinável inserida atrás da parede um estábulo do século XIX.

O layout é informal; rico com espaços incidentais e fontes de luz inesperadas. O delicado corredor de vidro revela o contraste entre a rusticidade do exterior rústico e o refinamento do interior. Dividido em duas alas, a planta simples aproveita da melhor forma as restrições do local e responde ao estilo de vida da jovem família.

Kew House foi um projeto experimental, conduzido pelo interesse compartilhado por arquiteto e cliente em uma abordagem de construção em kits, pré-fabricação e pelas possibilidades que surgem com a fabricação digital.

Kew House Piercy and Company 03 Kew House Piercy and Company 02 Kew House Piercy and Company 01Kew House Piercy and Company 04 Kew House Piercy and Company 05

Kew House Piercy and Company 06
Kew House Piercy and Company 08Kew House Piercy and Company 09Kew House Piercy and Company 10Kew House Piercy and Company Pavimento Subsolo Kew House Piercy and Company Pavimento Térreo Kew House Piercy and Company Primeiro PavimentoKew House Piercy and Company Corte AA Kew House Piercy and Company Fachada

Exatamente o meu tipo de casa – vidro pra todo lado! Por enquanto, minha aposta para o vencedor. 😉 Semana que vem eu volto com as outras duas finalistas. (Mas amanhã tem post novo, não percam!)

Imagens: Fotos. Plantas.

Prêmio RIBA House of the Year ~ Flint House

Flint House Skene Catling de La Peña banner

Bom dia, gente! Olha, estou lutando bravamente contra uma crise de falta de inspiração – sim, precisa de inspiração mesmo quando já tem assunto, rs! Continuando a série que iniciei na semana passada, hoje tem o segundo finalista do prêmio House of the Year, promovido pelo Instituto Real de Arquitetos Britânicos (RIBA).

A Flint House é um projeto do escritório Skene Catling de la Peña e fica no condado de Buckinghamshire, na Inglaterra. O terreno se localiza em uma falha geológica de calcário que vai desde o condado de Norfolk até os Penhascos Brancos de Dover. E os arquitetos se inspiraram nessa geologia: dois triângulos surgindo da paisagem plana, cuja base é revestida em pedaços de pedra calcária e lentamente vai se modificando, até se transformar em cal no topo, onde se ‘dissolve’ no ar.

A cobertura em degraus forma camadas de terraços, cortado em partes para formar pequenas varandas e nichos escondidos, que conectam partes distintas da casa. Internamente, os espaços emolduram a paisagem e proporcionam uma sequência rica de espaços.”Os prédios são tanto um mirante quanto lente condensadora para o entorno”, dizem os arquitetos.

Flint House Skene Catling de La Peña 01 Flint House Skene Catling de La Peña 02 Flint House Skene Catling de La Peña 03 Flint House Skene Catling de La Peña 04 Flint House Skene Catling de La Peña 05 Flint House Skene Catling de La Peña 06Flint House Skene Catling de La Peña plantas baixas

Flint House Skene Catling de La Peña cortesFlint House Skene Catling de La Peña plantas baixas anexoFlint House Skene Catling de La Peña cortes anexo

As fotos são belíssimas – adoraria conhecer o projeto pessoalmente! E vocês, gostaram? Fiquem ligados que amanhã tem mais um finalista!

Imagens: 01. 02. 03. 04. 05. 06. Plantas e Cortes.

Diário de uma arquiteta desempregada: partindo pro ataque

diário de uma arquiteta desempregada partindo pro ataque

Boa tarde, gente! O post de hoje deveria ter sido sobre uma feira de empregos que aconteceu ontem em Londres chamada Careers in Construction. “E por que não é, Carolina?” Bom, antes de que você comece a me chamar de preguiçosa, me explico: na véspera da feira, eu recebi uma mensagem de texto confirmando o evento, com um link para as dúvidas. Cliquei no link para ver o que ia ter de palestras e descobri que 99% do evento era direcionado para engenharia civil. Aquilo deu uma desanimada e eu resolvi decidir no dia seguinte. Quando foi ontem, estava dando um arrumada aqui no blog e acabei dando uma lida no primeiro post dessa série do diário – lá eu dizia que eu queria evitar arrumar um emprego em Londres. Pois agora, quase um ano depois e ainda sem emprego, cheguei à conclusão que não dá para evitar Londres se o objetivo é ter um emprego. Resolvi que, pelo menos por agora, vou atrás de trabalho.

Primeiro porque, por mais que seja uma posição controversa, minha família tem que vir em primeiro lugar. Infelizmente não é conveniente para a minha família ter os dois pais trabalhando em duas cidades distantes de onde a gente mora. Porque se acontecesse qualquer coisa que nos impedisse de voltar pra casa na hora certa, não tem vó, não tem tia, não tem ninguém para nos socorrer. Não é mimimi, é a nossa realidade, e nós temos que lidar com ela da melhor forma que pudermos, sem prejudicar a criança no processo. É fácil? Não é. Mas eu não tenho tempo pra sentir pena de mim mesma.

Segundo porque quero mesmo me mudar. E vou continuar procurando por emprego por lá, mas não quero mais nada por aqui, porque infelizmente pega mal no currículo ficar menos de um ano em um emprego (apesar de eu acreditar que eles devem abrir exceção se o motivo for mudança)  Continuarei olhando as vagas nas cidades mais próximas, se aparecer algo incrível eu me jogo.

Então parto pro ataque. Vou reformar meus websites. Vou fazer minhas propagandas. Vou abrir um escritório assim que puder. Aos poucos os planos vão tomando forma, e aos poucos vou contando por aqui. 🙂

(E sim, esse é meu telefone. Liga pra mim! Me manda um WhatsApp!)