Diário de uma arquiteta desempregada: 15 minutos de fama + os dilemas da vida (profissional)

diário de uma arquiteta desempregada dilemas da vida

E aí que ontem eu acordei e meu blog tinha tido 10 vezes mais visualizações do que o normal durante o dia, wordpress até veio me avisar. Todo mundo veio do Facebook pra esse post. Meu primeiro pensamento: quem tá falando mal de mim? É sério, gente, se tem alguém falando mal de mim, não me contem. Mas agradeço a quem compartilhou, de coração. Não faço dinheiro com o blog – quem sabe um dia -, mas alegria de escritor (ainda que os frustrados, como eu) é ter leitor. Parece que já voltamos ao tráfego normal, mas obrigada pelos 15 minutos de fama e por todos os compartilhamentos, comentários, curtidas no Facebook e mensagens. Fico feliz de ter alguém que lê, sério mesmo. Apenas não se esqueçam, por favor: esse é um blog pessoal, não tem receita de bolo (metaforicamente falando). É apenas um apanhado de experiências, que podem ajudar alguém (e espero que ajudem mesmo), mas não estou livre de escrever besteiras (espero que não escreva, rs).

Bom, hoje eu queria falar sobre os dilemas da vida. No título eu coloquei o profissional entre aspas porque eu acho difícil separar. Eu fiz várias escolhas, em diversos pontos da minha vida, que me trouxeram até onde estou. Ter filhos foi uma dessas escolhas. Nós escolhemos aquele momento porque não havia perspectiva profissional para mim. Aqueles anos foram muito ruins para o mercado da construção civil, não tinha emprego, não tinha trabalho. Fui ser fotógrafa. Passados seis anos, o dilema número um da vez é que a grande maioria dos trabalhos está em Londres. Eu não estou. E não quero estar. Mas existe escolha no momento? Na minha posição, eu tenho a opção? O dilema número dois é que eu quero escapar. Quero ir morar na beira da praia e ter qualidade de vida com a minha família. E para isso, eu teria que arrumar um emprego lá no destino. E se eu arrumar um emprego aqui, teria que ficar pelo menos mais um ano pra não pegar mal no currículo. Eu deveria me importar com essas coisas? Olha, não queria ficar de mimimi aqui, mas às vezes tomar decisões é tão complicado…