Igreja Saint Laurence ~ Slough

Às vezes, nós moramos numa cidade por anos e nunca conhecemos todos os tesouros que estão escondidos por aí. Nesse fim de semana que passou, foi realizado um evento chamado Heritage Open Days, que é um festival de arquitetura, história e cultura. Vários locais históricos em toda a Inglaterra abrem suas portas gratuitamente para quem quiser conhecer. O espírito do festival é justamente apresentar o que está na porta da sua casa, no caminho do seu trabalho e que você ainda não conhecia.

Imbuídos do espírito da coisa, escolhemos visitar uma igreja que fica escondidinha na esquina de um parque que nós gostamos muito de frequentar.

A Igreja de Saint Laurence é o prédio mais antigo de Slough – que é, na verdade, uma cidade formada por vários vilarejos. Os registros datam de cerca 1150 dC e parte do edifício do período românico ainda existe, porém em restaurações mais recentes foram descobertas técnicas construtivas da época saxônica (anterior a 1066 e a conquista normanda), o que levam os estudiosos a acreditar que a igreja possa ter origens pré Cristãs.

Planta baixa com períodos
Planta do século XIX. Faltou o norte na planta, mas a igreja é orientada no sentido tradicional leste-oeste, ou seja, o norte é pra cima.

Ela não tem o formato em cruz típico das igrejas, mas para mim não ficou claro se ela nunca teve esse formato ou se devido à deterioração, adições, reconstruções esse formato se perdeu no tempo. A entrada principal fica na fachada norte.

Originalmente ela era ligada à Abadia de Merton e, com a Reforma e a criação da Igreja Anglicana, foi parcialmente destruída. Acabou caindo em desuso lentamente a partir do século XVII e no século XIX foi abandonada em favor de uma nova igreja, St Mary’s. Um fazendeiro local salvou o que restava da antiga igreja da demolição e levantou fundos para restaurar a igreja, que foi reconsagrada e reaberta em 1851 com o formato que conhecemos hoje.

Fachada norte da igreja St Laurence
Fachada Norte – século XII

 

Fachada sul da igreja St Laurence
Fachada sul – século XIX

 

Porta da fachada sul da Igreja St Laurence
Porta da fachada sul, reproduzindo o estilo românico

 

Altar - período românico
Altar – período românico

Arcos românicos igreja St Laurence

 

Os arcos dividem a parte românica (a esquerda) e a parte vitoriana.
Os arcos dividem a parte românica (a esquerda) e a parte vitoriana.
Estrutura do telhado medieval (à esquerda) e vitoriano - século XIX.
Estrutura do telhado medieval (à esquerda) e vitoriano – século XIX.

 

Estátua danificada na Reforma
Estátua danificada na Reforma

 

Igreja St Laurence interior

Os vitrais foram adicionados na restauração do século XIX
Os vitrais foram adicionados na restauração do século XIX

Igreja St Laurence - detalhes

 

A mais nova adição à Igreja foram os vitrais de Herschel. Na década de 1990, uma senhora deixou em testamento uma quantia de dinheiro para diocese de Oxford e pediu que fossem feitos vitrais inspirados pelo Salmo 8:

Quando vejo os teus céus, obra dos teus dedos, a lua e as estrelas que preparaste;
Que é o homem mortal para que te lembres dele? e o filho do homem, para que o visites?
Salmos 8:3,4

As paróquias da diocese foram convidadas a apresentar projetos e St Laurence foi a vencedora devido à sua conexão com William Herschel. Herschel foi músico e astrônomo, e foi responsável pela descoberta do planeta Urano no século XVIII. Ele veio parar em Slough por causa da descoberta, já que o rei da época o chamou a Windsor e o nomeou astrônomo real. O astrônomo está enterrado dentro da igreja.

Vitral de Herschel na igreja St Laurence

A igreja vale uma visita para quem gosta de arquitetura religiosa e estiver nas redondezas. Dá pra ir a pé da estação de Slough ou de Windsor via Eton (me manda um email que eu dou as coordenadas – não confie no Google Maps!).

Igreja St Laurence

Upton Court Road

Slough

SL3 7LS

Adivinha quem voltou?

Estou há meses ensaiando este post. Faltava inspiração. Faltava coragem. Bom, agora não falta mais. Quer dizer, eu acho. Durante este tempo que estive fora, estava resolvendo uma crise, minha comigo mesma.

O problema é o seguinte: eu queria ser diferente. Eu queria fazer diferente. Eu *quero*. E eu não estava conseguindo escapar do post inspiração-coleção-de-figurinhas. Olha, existe espaço para todo tipo de blog no mundo mas, com tanta coisa legal no mundo, tantos prédios sobre quais ninguém fala, tantas cidades para serem exploradas e vividas, que me parece um desperdício de energia – da minha energia – passar os dias fazendo coletâneas de imagens que todo mundo pode encontrar no pinterest. Quero falar de lugares conhecidos e também de lugares que pouca gente conhece, de prédios famosos e daquela igrejinha fantástica escondida nos confins do mundo. Quero ser sobre arquitetura, sobre urbanismo, sobre interiores, mas também sobre gente – eu, a Zaha Hadid e você, arquiteto/urbanista/designer/estudante de arquitetura aí me lendo.

Se vou conseguir? Só o tempo dirá. Gostaria de convidar todo mundo a participar – aqui nos comentários, nos emails, no facebook, no instagram. Mande suas sugestões, críticas, projetos. Vamos conversar, meu povo!

E eu declaro (re)aberto esse humilde blog! Som na caixa, maestro!