{Inspiração} Banheiros pequenos

Bom dia! Gente, hoje vim dividir com vocês um pouco de inspiração. O banheiro do meu quarto é bem pequeninho, mas é um espaço super mal aproveitado: quase não tem lugar pra guardar as coisas, a porta está no lugar errado – na minha opinião, que fique bem claro – e é bem genérico e sem personalidade. Não pretendemos ficar nessa casa por muito tempo, então mudar a porta de lugar não está nos planos, mas queria ideias para dar um charme e – quem sabe – ajudar a vender a casa quando chegar a hora. Selecionei 10 banheiros pequenos para me trazer inspiração: vem comigo!

banheiros-pequenos-01

banheiros-pequenos-02

banheiros-pequenos-03

banheiros-pequenos-04

banheiros-pequenos-05 banheiros-pequenos-06

banheiros-pequenos-07

banheiros-pequenos-08 banheiros-pequenos-09banheiros-pequenos-10Apesar de a maioria desses banheiros ser bem maior que o meu, tive um monte de ideias bacanas para dar um tapa no visual do meu banheiro. Nem tinha pensado em colocar a máquina de lavar no banheiro, por exemplo. Aqui a maioria das casas não tem lavanderia e as máquinas de lavar ficam na cozinha, no banheiro ou no armário (rs!). A minha fica na cozinha, mas não tenho espaço para uma secadora. Todo inverno falo que vou comprar uma, mas onde colocar? Resolvi meu problema (ou não, né!? Tem que achar uma que caiba…). Também achei legal o uso de cor, o meu banheiro é branquinho, um toque de cor não vai fazer mal. E vocês, o que curtiram?

Agora é Carolina indo pra prancheta em 3, 2, 1… Até amanhã!

Passivhaus – a casa passiva

Bom dia, meu povo! Eu estou ensaiando há um tempão escrever sobre esse assunto, mas quanto mais eu leio, mais eu quero ler e acabo não escrevendo nada. Mas o post passado, sobre a casa Stormy Castle, me deu inspiração.

Passivhaus, Passive House, Casa Passiva. O que é isso, afinal de contas?

A casa passiva é um padrão de construção energeticamente eficiente, confortável e acessível ao mesmo tempo. É mais do que um edifício de baixo consumo energético. Casas passivas permitem economia de até 90% em sistemas de aquecimento ou resfriamento, fazem uso eficiente do sun, fontes internas de aquecimento e recuperação de calor, fazendo o uso de sistemas de aquecimento convencional desnecessários, mesmo nos invernos mais frios. Durante os meses quentes, casas passivas usam técnicas de resfriamento para manter a temperatura confortável.

passive_house

A primeira casa passiva do Reino Unido foi construída em 2009. Desde então o número já passou de 250 – incluindo residências multifamiliares e edifícios comerciais e institucionais. Para ilustrar esse post, eu escolhi a Stackyard House, do escritório Mole Architects, que fica em Suffolk, na Inglaterra.

Stackyard-House-01 Stackyard-House-02 Stackyard-House-03 Stackyard-House-04 Stackyard-House-05

Planta-baixa-subsolo-primeiro pavimento Planta-baixa-térreo

Consegui achar apenas uma informação sobre o uso da norma no Brasil, estou investigando e assim que eu tiver novidades eu posto para vocês.

A Gustavo Gili Brasil tem um livro sobre o assunto, chamado Da casa passiva à norma Passivhaus – a arquitetura passiva em climas quentes, que já está na minha lista de compras. Quero muito saber mais sobre a aplicação em locais de clima tropical como o Brasil.

E aí, edifícios eficientes – relevante ou não?

{Imagens: What’s a passive house?, Mole Architects, ArchDaily}

Medalha Manser 2014: Stormy Castle

A Medalha Manser é uma premiação do Instituto Real de Arquitetos Britânicos (RIBA em inglês) que foi criada em 2001 e todo ano escolhe a melhor residência projetada por um arquiteto no Reino Unido. O vencedor desse ano foi anunciado na última quinta feira, e o prêmio foi para a casa Stormy Castle, projetada pelo escritório Loyn & Co Architects.

Stormy-Castle-02

Stormy Castle é uma residência particular em uma área considerada Área de Beleza Natural Excepcional, em uma colina na península de Gower (País de Gales). O cliente – um casal local que conhece bem a área – sempre quis construir algo que refletisse a qualidade do entorno e aproveitasse ao máximo a vista, a paisagem e a topografia do local.

Os materiais foram escolhidos para refletir a estética das fazendas locais, e se caracterizam pelo uso do concreto e do metal. A tonalidade das superfícies de aço patinável foi escolhida para combinar com a vegetação dos campos próximos à casa. Dois prédios históricos foram preservados e integrados à nova construção.

Um dos requerimentos do cliente era que a residência fosse de sustentável e de baixa manutenção. Para isso, foi usada uma combinação de vedação e cobertura altamente isolantes, incluindo telhados verdes, e sistemas tecnológicos tais como painéis solares fotovoltaicos, painéis solares térmicos, coleta de água da chuva, fogões de lenha e esquema de iluminação de baixa energia com LED.

Stormy-Castle-01 Stormy-Castle-03 Stormy-Castle-04 Stormy-Castle-05 Stormy-Castle-06 Stormy-Castle-07

Stormy-Castle-08

Stormy-Castle-subsolo

Subsolo {Clique para ver imagem ampliada}

* Clique para ver imagem ampliada *

Térreo {Clique para ver imagem ampliada}

* Clique para ver imagem ampliada *

Primeiro Pavimento {Clique para ver imagem ampliada}

Corte {Clique para ver a imagem apliada}

Corte {Clique para ver imagem apliada}

Meu tipo de casa em um dos meus lugares preferidos no mundo, como não amar? Principalmente porque aqui a arquitetura dita “tradicional” é predominante e qualquer coisa que esteja fora dos padrões é feio, indesejado e muito criticado. Parabéns aos arquitetos pelo merecido prêmio.

{Imagens: Wales Online e Dezeen}

{Um arquiteto por semana} Alberto Campo Baeza

Gente, gente, gente! Antes de apresentar o arquiteto dessa semana, eu queria me desculpar imensamente pela falta de posts. Foi uma semana louca, meus cartões de visita chegaram todos estragados, com a laminação soltando, ainda por cima comecei um curso na segunda e tá dando mais trabalho do que eu pensava, rs. Vocês conhecem a Holly Becker, do blog Decor8? Eu a conheci há uns 3 anos, numa palestra sobre como melhorar a qualidade do blog e desde então eu queria fazer um dos cursos que ela oferece. Estava indecisa até o dia que o curso começou, quando decidi que sim, meu blog vale o investimento! Aos poucos vou aplicando os ensinamentos aqui no blog, espero produzir conteúdo cada vez melhor.

O arquiteto dessa semana é o Alberto Campo Baeza. Ele é um arquiteto espanhol, nascido em Valladolid em 1946. Ele estudou em Madri, na Escola Técnica Superior de Arquitetura, e foi professor em Zurique, na Universidade Cornell e na Universidade da Pensilvânia, além de na própria escola onde ele estudou. Os seus trabalhos incluem a prefeitura de Fene (1980), a Biblioteca Pública de Orihuela (1992), uma escola pública em Cádiz (1992) e várias residências particulares.

O projeto que eu escolhi para ilustrar o post de hoje foi a Casa do Infinito, que fica em Cádiz (Espanha).

Casa-do-infinito-01

Nas palavras do próprio arquiteto: “Em um lugar maravilhoso como um pedaço do paraíso na Terra, em Cádiz, nós construímos um plano infinito de frente para o mar infinito, a casa mais radical que já fizemos. Nas margens das águas do Oceano Atlântico, onde o mar une o novo e o velho continente, surge uma plataforma de pedra. No lugar onde todos os navios do Mediterrâneo passavam e ainda passam enquanto rumam em direção ao Atlântico.

Lá nós construímos uma casa como se fosse um quebra-mar olhando para o mar. Uma casa que é um pódio coroado por um plano horizontal superior. Nesse plano horizontal retumbante, limpo e desnudo, nós estamos em frente à distante linha horizontal traçada pelo oceano onde o sol se põe. Um plano horizontal ao alto, construído em pedra, em travertino romano, como se fosse areia, um plano infinito de frente para o mar infinito. Nada mais e nada menos.”

*Pausa para recuperar o fôlego* O tipo de memorial que eu gostaria de ter escrito, o tipo de casa que eu gostaria de ter projetado. Nada mais, nada menos.

Casa-do-infinito-02 Casa-do-infinito-03 Casa-do-infinito-04 Casa-do-infinito-05 Casa-do-infinito-06

Casa-do-infinito-pavimento-terreo Casa-do-infinito-primeiro-pavimento

Casa-do-infinito-corte-elevação

Esse é o trabalho mais recente dele, de 2014. Achei o trabalho do Campo Baeza bem legal, dêem uma voltinha no website dele e vejam quanto coisa bacana!

{Imagens e citação: Alberto Campo Baeza}

Produto do dia: Almofadas por Christian e Richard Schonhofen para Lolahome

Oi gente! Semana passada eu estava falando das tendências para o outono aqui no Reino Unido e entre elas estavam os motivos geométricos. Pois vejam o que caiu na minha caixa de entrada:

Christian e Richard Schonhofen para Lolahome

As almofadas assinadas pelos arquitetos Christian e Richard Schonhofen para a Lolahome foram desenvolvidas especialmente para o ambiente Loft do Executivo, projetado pelos arquitetos na Casa Cor Paraná 2014.

loft-executivo-casa-cor-parana-2014

A coleção é composta por quatro almofadas, Geo, Square, Losangos e Lines, todas com duas opções de cor: azul ou roxa.

Estes e outros produtos lindíssimos estão disponíveis na Lolahome, que atende encomendas de todo o Brasil.

Pra finalizar, deixo vocês com o vídeo dos arquitetos em parceria com a Lolahome, mostrando um pouco mais do ambiente da Casa Cor e dando dicas para dar um up no visual da sua casa.

 

*Este não é um post pago – conheça a nossa política de divulgação*